O que você acha de começar impressionando suas visitas logo de cara?! Para isso, dê uma caprichada no seu jardim, a partir da escolha adequada da grama. Pois é, até ela requer cuidados especiais. Logo, aprenda quais são eles para que, ao final, o resultado seja tão fabuloso, que transformará qualquer pessoa num verdadeiro amante da natureza.

Como plantar grama
Como plantar grama

Continue acompanhando dicas para deixar a sua casa linda:

Há uma infinidade de tipos de gramíneas adequadas para o plantio em jardins, mas, aqui no Brasil, as mais utilizadas chegam ao número de quatro. A preferida dos paisagistas é, sem dúvida, a Zoysia japonica, conhecida popularmente como gramas esmeralda: a grande recordista de vendas. Por conferir uma beleza estética indiscutível, ela também apresenta uma série de vantagens, como a boa resistência ao pisoteio (mas não recomendada para locais de tráfego intenso), sua fácil adaptação em áreas ensolaradas, pouca manutenção e podas com menor frequência. Sendo assim, a grama-esmeralda é uma ótima alternativa para aqueles que desejam obter um belo efeito, com um toque mais delicado, já que suas folhas apresentam a forma de pequenas e estreitas lanças, num tom de verde intenso bem uniforme.

Outra grama ideal é a grama-coreana, Zoysia tenuifolia, que também tem uma aparência mais pitoresca, graças as suas folhas pontiagudas, curtinhas e estreitas, e sua aceitação ao sol. No entanto, ela é mais indicada para compor pequenos espaços, nos quais serão inseridos arranjos de plantas, pois, ela possui uma resistência mediana ao pisoteio. Apesar disso, é possível forrar todo o jardim com a grama-coreana, desde que não sejam realizadas caminhadas constantes sobre ela. Além disso, nesse caso, é preciso apará-la mais vezes, de modo que sempre tenha a aparência mais linear e aveludada. Somente lembrando, que seu custo é mais elevado em comparação com os demais tipos, como na aquisição e manutenção do gramado.

A grama-inglesa ou grama santo-agostinho, Stenotaphrum secundatum, também pode ser uma boa pedida, caso você more numa região de clima mais quente. Essa grama é uma excelente alternativa, inclusive, para áreas litorâneas, devido sua tolerância à salinidade. Com alta resistência a pisoteio, ela dá uma cara bem legal ao jardim, por ter uma coloração mais escura e por apresentar folhas mais estreitas.

Já, a grama Axonopus compressus, nomeada popularmente por grama são carlos, ou simplesmente, grama-tapete ou grama-curitibana, é indicada para locais de meia-sombra ou sol pleno, desde que a região apresente um alto índice de umidade do ar. Sendo assim, ela tem tolerância a lugares frios e úmidos. É resistente às pragas e às doenças, e bem menos, no caso de pisoteio. Agora, se o intuito for apenas a aplicação em canteiros ou em bordas de piso, uma boa escolha é a grama-preta, cientificamente chamada de Ophiopogon japonicus, a qual possui baixa resistência ao pisoteio. Ela aceita áreas mais sombreadas, e ainda, não exige ser aparada.

Cuidados que devem ser tomados antes do plantio de grama

Por isso, atente-se bem ao clima, verificando questões como temperatura e umidade, além do tipo de solo. Este, aliás, deve estar nas condições ideais para receber a gramínea.

Outro ponto muito importante é analisar o local que receberá a grama, ou seja, se o fluxo de pessoas que transitam nessa área é intenso, ou então, esporádico. Tal percepção influenciará na escolha de uma grama de alta ou de média resistência à pisoteio. Além disso, considere o quanto você deseja se dedicar à manutenção. Alguns tipos de gramíneas exigem uma maior frequência de podas ou de simples aparos, e de adubagens, o que desencadeia num custo mais elevado. E, por fim, certifique-se se o fornecedor  é de boa procedência, já que a qualidade do gramado parte daí.

Prepare bem o solo antes de receber a grama

Para garantir um gramado de sucesso é essencial que o solo esteja nas condições adequadas para receber a grama, assim, é necessário que o local receba certos cuidados. Por isso, primeiramente, limpe bem a área que receberá a gramínea, eliminando resíduos como entulhos, restos de construção, madeira, pedra, além de pragas e ervas daninha. Tendo realizada essa etapa, o processo seguinte é a análise do solo, da qual se saberá a necessidade de aplicar o calcário dolomítico, no caso de solos mais ácidos, ou ainda, de matéria orgânica, tratando-se de um solo arenoso. Para isso, vale contratar os serviços de um especialista. Realizado todo procedimento, seu jardim estará prontinho para ser transformado num belo tapete verde. Lembrando apenas, que o melhor período para realizar o plantio do gramado é na época de chuva, ok?!

Há várias formas de plantar  grama, ou seja, através de sementes, mudas, placas e tapetes. Esses dois últimos são os mais utilizados, já que, além de mais práticos, também garantem uma visualização mais rápida do efeito. Sendo assim, quem optar pela placa ou pelo tapete deverá prosseguir da seguinte forma: conforme a aplicação das placas ou dos tapetes procure sempre mantê-los uniformes e alinhados, atentando-se em não deixá-los sobrepostos, ou então, muito repuxados. Para garantir um bom contato da raiz com o solo, a sugestão é realizar a compactação por meio do rolo. Feito o plantio, pulverize sobre a grama um pouco de terra, a qual deverá ser de boa qualidade.

Aplique-a também entre as placas, nas fissuras. É fundamental realizar a irrigação regularmente, assim, a rega deve ser diária e abundante, por, pelo menos, um mês: isso ajudará no processo de desenvolvimento do gramado. No caso do plantio por meio de mudas, devem-se realizar sulcos no solo, a fim de inserir as mudas. Elas devem ser cultivadas individualmente, a cada 30 cm. Realize a compactação, através do rolo compactador, ou então, no caso de uma área bem menor, com o auxílio de uma placa de madeira. Com o desenvolvimento da grama, esses espaçamentos serão cobertos. Contudo, até que se chegue nesse estágio é essencial a aplicação de herbicidas pré-emergentes para proteger o solo.

A irrigação também deve ser constante, até que a raiz esteja bem firme ao solo. E, por último, o mais lento dos processos: o plantio por meio das sementes. Nesse caso, basta espalhar as sementes sobre o solo, e com o auxílio de um ancinho cuide para que a semente fique abaixo da terra, por volta de 3 mm. Em seguida, passe o rolo compactador e espalhe um pouco de palha sobre o solo. Isso ajudará a manter uma boa umidade da terra, além de proteger a semente. Não exagere na irrigação! O solo deve estar apenas úmido.

Para manter sempre a qualidade e a beleza da grama é importante atentar-se ao período de adubação, a qual deverá ser realizada uma vez por ano, através da aplicação do adubo granulado e do composto orgânico, ou então, a cada dois anos, empregando húmus de minhoca. Quanto à quantidade de poda, ela irá variar, segundo a frequência de chuva, já que em períodos mais chuvosos, a grama costuma ter um crescimento mais rápido.

Logo, em épocas como essa, a poda deve ser realizada a cada 15 dias. Agora, pelo fato de cada grama possuir forma e estilo diferentes, a altura mais adequada será de acordo com o tipo de grama. Mas, em termos estéticos, independente de qual seja a grama escolhida, é importante que ela não ultrapasse a marca dos 7 cm de altura. Tal medida garantirá um bom efeito do gramado. Após a poda, não deixe de varrer o gramado, a fim de retirar as folhas que foram cortadas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui