Transparência, leveza e fluidez. Combinadas, as três diretrizes tornaram-se marcas registradas do arquiteto Luiz Eduardo Índio da Costa ao longo de seus mais de cinquenta anos de atividade. O livro Índio da Costa, Ar como Arquitetura, publicado pela editora Tix, é uma homenagem ao estilo pessoal do gaúcho radicado no Rio de Janeiro, um dos principais nomes da arquitetura contemporânea brasileira.

"O complemento do título Ar como Arquitetura é fruto de uma análise crítica de meus trabalhos, pois sempre tive a preocupação de pensar sobre a permeabilidade do ar na arquitetura", comenta Índio da Costa. Amplas aberturas, uso recorrente do vidro e integração com o entorno são alguns dos elementos preferidos do arquiteto, presentes em grande parte das obras incluídas no livro, todas realizadas nos últimos 15 anos.
 
Dentre os selecionados, vale destacar um dos mais emblemáticos cartões postais da capital carioca, o Orla Rio, que compreende espaços públicos, mobiliários urbanos e quiosques distribuídos pelos calçadões de Copacabana, Ipanema e Leblon. Há também projetos que nunca chegaram a ser construídos, como o icônico pavilhão de exposição inflável em Abu Dhabi, em Dubai, e o concurso de revitalização realizado para a Marina da Glória, em 2010, no qual Índio foi o vencedor.
 
Os textos são assinados por Lauro Cavalcanti e Augusto Ivan Pinheiro de Freitas. "É sempre estimulante compartilhar o meu trabalho com amigos, colegas e leitores interessados no assunto, pois sinto que é uma forma natural de contribuição profissional", conclui.