Desde que foi construído no final da década de 1960 por Paulo Maluf, até poucos anos atrás, o Minhocão foi uma das estruturas mais execradas da cidade: cortou ao meio a boêmia e estudantil Vila Buarque, degradou a vizinhança, desvalorizou imóveis, causou barulho e insegurança. A partir da década de 90, entre os urbanistas a única solução viável era a demolição total, restando resolver o que fazer com os milhares de carros que passam pela via elevada todos os dias. Enquanto os especialistas debatiam, a população foi silenciosamente se apropriando do Minhocão nos horários em que a pista está fechada ao tráfego, de noite e aos domingos. Os usos foram se intensificando, e a cidade começou a amar o lugar. Em 2012 foi criada a Associação Parque Minhocão, passo importante para promover o que eram usos espontâneos em reivindicação social pela transfor- mação do Minhocão em espaço público definitivo. O artista plástico Felipe Morozini é um de seus diretores, e defende a manutenção da via elevada e sua transformação progressiva em parque.

Bamboo Hoje em dia o exemplo do High Line te inspira ou te irrita?

Felipe Morozini O exemplo e comparações ao High Line não têm a menor conexão com o parque Minhocão, exceto o fato de ambos serem vias elevadas. Em Nova York construiu-se um parque e sua consequente e massiva gentrificação. Aqui o parque nasceu do uso. Foram as pessoas que indicaram um caminho.

B O parque Minhocão, ainda em processo de regulamentação, é o primeiro parque “on-off” da cidade. Se você pudesse regulamentá-lo, o que faria?

FM De imediato colocaria iluminação para pedestres, teria banheiros químicos, e um canteiro central cheio de plantas. Outro passo é melhorar a segurança dos usuários, feita pela Guarda Civil Metropolitana ou pela Polícia Militar, estes sempre de bicicleta. Já solicitamos a todos os órgãos competentes. Estamos aguar- dando retorno. Avante.

B Na estratégia de ganhos incrementais, vocês já conseguiram o fechamento da via elevada para os veículos aos sábados. Continuam nesse caminho, de conseguir o parque aos poucos? Qual é a frente de lutas atual?

FM O próximo passo é que o fechamento durante a semana acompanhe o horário do rodízio. Ou seja, abriria para os carros às 7 da manhã e fecharia as 20h (hoje abre às 6h30 e fecha às 21h30). Acreditamos que essas horas diárias a mais intensificarão o uso pelas crianças, o que mudará o pensamento, ainda mais, sobre esse parque.

B Qual é o projeto da associação para a parte de baixo do Minhocão?

FM Nunca quisemos ter um projeto, nem para a parte superior nem para a inferior. Nossa função é fazer as pessoas imaginarem novos usos, e sua consequente aplicação. Quando chegar o momento oportuno, a sociedade desenhará o parque. 

Entrevistas com outros criadores de projeto que reinvidicam o direito à cidade estão na Bamboo de novembro, nas bancas.