A intervenção proposta é a antítese de um projeto. Ele ocupa o lugar para o qual não existe um projeto.

Não é uma solução, mas um edifício temporário para a reflexão sobre problemas urbanos: os espaços intersticiais e esquecidos; as lacunas de densidade na área central; a descontinuidade nas políticas públicas de urbanismo; a incapacidade de concluir projetos de médio e longo termo.

Sobre as ruas existentes, uma construção de andaimes enclausura os carros, isolando-os da cidade. Outras duas vias são acrescentadas aos terrenos vazios e inutilizados, propondo um novo fluxo para a área.

O primeiro pavimento, suspenso sobre as três vias e com 5 mil m2, é o “museu da cidade”: lugar vivo e multidisciplinar para exposição de projetos para São Paulo. O “museu” poderia ser, além de um espaço para projetos, lugar de reflexão sobre como a cidade chegou a esse ponto de desarticulação, contando a história de suas grandes transformações. Na cobertura, um grande terraço é o observatório do entorno.

Esse objeto estranho, que secciona o terreno em quatro áreas distintas e propositada- mente sem atividade definida, é o negativo de um edifício. O “antiprojeto” é um absurdo urbano que evidencia todos os problemas à sua volta. 

Confira todos os Projetos para SP na Bamboo de novembro, nas bancas.