Coberturas na Vieira Souto são pensadas para voar sobre as ruas e mirar o horizonte, mas a de Alexandre Allard parece flutuar na imensidão azul do mar de Ipanema, num mimetismo de tom e astral com a paisagem e o gosto do carioca. “Gosto de me sentir numa grande cabine, navegando pelo oceano”, descreve o empresário francês que há dois anos escolheu o Rio de Janeiro para viver ao
lado da mulher, Laure, e dos filhos Sacha e Mila. “Prometi a eles que quando nos mudássemos para o Brasil iriam à praia todos os dias.” Dito e feito.

O clima é mesmo de balneário, um mix de St. Barth com Córsega no verde água das poltronas, vasos
e almofadas que nos levam ao Caribe e ao Mediterrâneo; no branco profundo que se forma nos espaços quase vazios onde luz e ar correm à solta, com arte sem proposições revolucionárias. A decoração é precisa e sem grandes alardes e foi feita por Laure em parceria com o designer de interiores libanês Chahan Minassian. A dupla virou Paris do avesso para encontrar os objetos e tecidos no azul “Rio” ideal que deixasse a casa camuflada no horizonte de Ipanema. “O humor da casa muda com as estações do ano, o brilho do sol, as cores do céu e do mar. Tudo está em movimento”, explica.

A verdade tropical do espaço é entregue pelas plantas quase fora de escala que tocam o teto e pelo terraço onde fim de semana sim, outro também, a comunidade francesa da cidade – os “pariocas” – se encontra para almoços em que misturam seu savoir-faire ao jogo de cintura dos locais (as festinhas chez Allard dão o maior samba, de Orly!). Na cobertura, Alex vê o mundo como gosta, do alto – embora seus pés no chão pareçam firmes o suficiente para manter os negócios em tempos de naufrágio indo de vento em popa. 

Veja o projeto completo na Bamboo de dezembro, nas bancas.